Tendência do mercado é substituir vigias e porteiros por segurança eletrônica

Tecnologia
Postado em: 08/10/2019

08
OUT
Tecnologia
Tendência do mercado é substituir vigias e porteiros por segurança eletrônica

Todo gestor, tanto do setor público quanto do setor privado, precisa melhorar seu projeto de segurança periodicamente. Ele sabe que é necessário aderir às modernidades, mas também sabe que precisa economizar dinheiro. A melhor forma de fazer isso é diminuindo seus custos mensais. Por isso, a tendência do mercado empresarial no Brasil, seguindo algo que já acontece nos países desenvolvidos, é a substituição dos serviços de vigias e porteiros, normalmente prestados por empresas terceirizadas, por segurança eletrônica monitorada.

Este recurso envolve câmeras inteligentes e outras soluções tecnológicas, geralmente equipadas com softwares que usam inteligência artificial (IA). Apesar da modernidade desta prática, as empresas que a adotam conseguem reduzir seus custos pela metade. Além disso, há ainda os ganhos em eficiência e resultado, já que as soluções inteligentes são muito mais efetivas do que as que contam com a atuação humana e tecnologias não integradas. Isso porque elas são controladas analiticamente.

Grandes complexos empresariais, prédios governamentais e outros segmentos, como aeroportos, instituições de ensino, bancos e hospitais comprovam essa redução nos custos, em torno de 40% a 50%, em relação ao que investiam para manter vigias e porteiros em suas corporações.
 

Case de sucesso de troca por segurança eletrônica

“Uma empresa que mantém um serviço de vigia, num turno de 12 horas por dia, 7 dias por semana, gasta por volta de 8.000,00 por mês por posto de trabalho. Se esse serviço de vigia for necessário por 24 horas, o custo será por volta de 18.000,00 no mês por posto de trabalho. Dependendo da quantidade de postos, esse custo pode passar de 100.000,00 por mês”, explica o especialista em segurança eletrônica, Valter Desiderio Junior, da V2 Integradora de Soluções.

“O Tribunal de Justiça de Rondônia pagava em torno de R$ 410 mil por mês para manter vigias em seus 37 Tribunais de Justiça. Com a implantação da segurança eletrônica, na modalidade de locação, o custo caiu para R$ 215 mil mensais, quase 50%, incluindo a instalação de novos controles de acesso com reconhecimento facial nas catracas, tecnologia que torna as entradas de pessoas nas unidades muito mais seguras”, exemplificou.

Tecnologia com sistema de informação mais seguro e eficaz

Quando falamos de segurança eletrônica, não estamos pensando apenas nas câmeras inteligentes, com analíticos e alarmes, para substituírem, de forma mais efetiva, os olhos dos vigias. Mas também em tecnologias físicas e virtuais, que podem ser acessadas por meio de um sistema de informação seguro. O objetivo é uma segurança mais barata e eficaz, que realmente previna e proteja seu patrimônio.

Para isso, há câmeras com sensores que detectam a invasão de perímetro, identificando se ela está sendo feita por pessoa, animal ou veículo. Esta solução pode cobrir todo o perímetro do local e o alerta de invasão é feito imediatamente para a equipe de monitoramento, que vai tomar as providências necessárias e pré acordadas. 

Essas câmeras também podem ter sensores de fumaça para prevenção de incêndios e registro de objetos em cena, que mostram a imagem imediatamente quando um objeto é retirado de um local, prevenindo furtos. Um tipo de atuação praticamente inviável para um vigia localizado em um determinado posto, especialmente dependendo da área de abrangência.

Existem ainda câmeras com reconhecimento facial, que podem ser colocadas nas catracas de entrada e saída para controle mais eficiente de acesso de pessoas. Neste caso, um software pode até fazer a contagem do número de pessoas que entra em uma catraca ou elevador diariamente, gerando alertas se houver anormalidades no padrão. Isso também reduz a mão de obra e dá agilidade e qualidade no serviço. 

Se o sistema contar com biometria é possível fazer a leitura de impressão digital e o reconhecimento facial simultaneamente, liberando o acesso apenas das pessoas pré cadastradas e autorizadas. 

Segurança preventiva e eficiente com monitoramento analítico

Qualquer um dos sistemas exemplificados podem ser instalados numa empresa e pré configurado, levando em conta o mapeamento de rotinas e seus protocolos específicos. Assim, quando identificada uma anormalidade no perímetro, alertas são disparados automaticamente para a equipe de monitoramento. 
Essa solução, além de custar mais barato, funciona de forma confiável e preventiva. Porque antecipa eventuais ocorrências, como roubos, invasões, furtos ou incêndios. Que é o que qualquer gestor ou empresário deseja quando investe em segurança.
 
O monitoramento, com uso de softwares de inteligência artificial e analítica é indicado para todos os segmentos empresariais, já que os vídeos e sensores permitem uma gestão proativa, prevenindo ocorrências e possibilitando ações rápidas. 

Modalidades de contratação

A V2 Integradora presta todo esse serviço de segurança eletrônica para a sua organização, com a possibilidade do monitoramento ser feito pela empresa contratante ou pela V2. As empresas podem adquirir essas soluções por meio do pagamento de locação mensal, não precisando investir em equipamento algum. Ou por meio de aquisição dos equipamentos, o que for mais conveniente.

Entendeu agora porque investir em segurança eletrônica e automatizada é mais do que uma tendência? Porque você não paga vigias e porteiros para dizer que sua empresa é segura, mas porque espera que ela realmente seja e que seu patrimônio e colaboradores estejam protegidos. 

Vale a pena comparar os investimentos. Nossos consultores V2 podem ajudar você e sua equipe nisso.

Conheça nossas soluções: https://www.v2integradora.com.br/solucao/sistema-de-seguranca

 


Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites
WhatsApp